Você está aqui: Home » Kênosis Fascículo III - Vocações e a Igreja Viva - Julho/Agosto » Jesus Cristo é a Fonte e o Espelho de Todas as Vocações

Jesus Cristo é a Fonte e o Espelho de Todas as Vocações

O Chamado que Conduz a Igreja de Cristo

Desde 1981, Agosto é, para nós católicos, o mês das vocações. E o que é uma vocação, senão o exercício de um sim para um chamado que queima no coração e que, de tanto queimar, se torna impossível de conter?

A palavra vocação, originária do verbo latino “vocare”, quer dizer chamado. Por isso, aos cristãos, é sempre um chamado de Deus para alguma missão específica. Cada filho chamado por Deus-Pai, quando abre seu coração a este chamado, se sente impelido, naturalmente atraído para cumprir aquilo a que é chamado.

Nossa Igreja vive e se renova ao longo dos séculos por causa das vocações de milhões e milhões de pessoas. Como veremos, são várias as vocações, de diferentes naturezas, com diferentes finalidades e efeitos, mas todas igualmente importantes, sob a mesma fé, imbuídas do mesmo Espírito, servindo ao mesmo Senhor.

No universo cristão, vocação não é a mesma coisa que profissão, pois não está diretamente conectada a aptidões inatas de qualquer natureza, algo que naturalmente excluiria a muitos e geraria frustrações profundas em tantos outros.

Todo ser humano filho de Deus, principalmente todo batizado, é chamado a ser sempre e em todo lugar “sal da terra e luz do mundo”. Essa incumbência de todo cristão é, em si, uma vocação.

O cristão se caracteriza por ser sempre chamado a praticar o bem e a promover a justiça, afastando-se de tudo que é mal. Mais que desejo, realizar nossa vocação é um imperativo ditado pela nossa adesão incondicional a Cristo.

Vocação é mais que talento (como no dicionário), mais que inclinação, que uma simples propensão. É tudo isso, mas é, antes de tudo, um ato de liberdade suprema, uma escolha pelo amor, um ato de desprendimento de si próprio em prol dos irmãos (dimensão solidária de nossa existência), auxiliando-os em sua jornada de dignidade, descobrimento, potencialização e realização plena, também a partir do exercício de suas próprias vocações.

Vocação, portanto, tem a ver com o chamado essencial de felicidade plena e madura (sentido da vida) que Deus quer para o Homem criado à sua imagem e semelhança – a vocação fundamental à santidade. Seguir Jesus é encontrar e viver essa felicidade plena, pois como aprendemos em João 10,10, aceitar Jesus é ter vida e vida em abundância, mesmo com todas as dificuldades, tribulações e limitações impostas pela vida. E isso mais do que suficiente, é fantástico, porque o que Jesus promete nessa passagem do Evangelho de João é abundância de vida, a vida eterna conquistada por Ele na cruz; e não a vida mundana abundante de bens materiais, conforme apregoam algumas seitas supostamente cristãs.

Como tudo que vem de Jesus e é feito para o seguimento a Jesus, não há vocação que se baste em si própria, como não há bem que beneficie somente a quem o faz. Vocação, em Cristo, é e deve ser para o outro, porque tem a ver com trabalhar no projeto de Deus, na construção de seu Reino, propagado há 2000 anos.

É certo que todas as vocações são importantes, pois todas conduzem àquilo que é perfeito por definição: a caridade. Esta, por sua vez, se apresenta como a principal essência da vocação universal à santidade. E isso tem tudo a ver com a construção do Reino de Deus nesta vida, neste mundo. Assim, fica claro perceber que é pela manifestação produtiva das vocações que se fortalece a caridade, que direciona todos e a cada um de nós à santidade.

O primeiro passo para descobrirmos e termos certeza de qual é nossa vocação específica, qual é nosso papel na obra de Deus, é exercitarmos o desafio de ouvir atentamente o Seu chamado: ouvir nosso coração, ouvir o som no mais profundo de nossa mente, ouvir o apelo mais singelo de nossos irmãos, o clamor da Igreja, as palavras de Jesus. Como a fé, a vocação também se materializa pelo ouvir, mas é outro tipo de “ouvir”.

Este mês vocacional proposto pela Igreja tem por objetivo nos chamar à ação concreta a partir de nossa(s) vocação(ões) específica(s). Por isso, devemos refletir sobre a importância de nosso papel e de nosso compromisso com o Projeto de Deus, com a Igreja e com a sociedade. Afinal, para Jesus, todos importamos, porque “a messe é grande e os operários são poucos” (Lc 10, 1-9).

Querido Irmão, querida irmã: vale, então, refletir: Com que frequência você tem ouvido seu coração? Você já encontrou sua vocação? Pelo menos a tem procurado? Que ações concretas você tem produzido para a edificação do Reino de Deus em sua comunidade, começando por sua família?

Jesus Cristo ressuscitado, antes de voltar ao Pai, nos transferiu sua força transformadora pelo Espírito Santo, que nos deixou como advogado. Esse Espírito Santo é quem constantemente nos capacita com dons e é também quem nos fomenta e aquece as vocações latentes em nossos corações.

Jesus fez isso para que pudéssemos ter resiliência, confiança, fé e esperança suficientes diante de todos os riscos, contraditórios, perseguições e desafios que desde sempre sabia e anunciou que enfrentaríamos ao carregarmos sua Mensagem e edificarmos sua Igreja ao longo dos séculos.

Cristo é a rocha espiritual sobre a qual a Igreja foi lastreada

Somos membros da Igreja instituída por Cristo e sobre Cristo – Ele, a pedra rejeitada, a rocha espiritual sobre a qual a Igreja foi lastreada, porque dela, seu corpo místico, é a cabeça e, antes de tudo, porque é o Verbo Encarnado, a Palavra de Deus, o Filho Salvador.

Cristo repetidamente anunciou que subiria ao Pai; que não estaria mais presencialmente conosco até o momento oportuno de sua volta. Com isso, nasceu e floresceu a importância do discipulado vivo, presente, eficiente, capaz de se capilarizar e converter a tantos quantos possível, porque sem Jesus presencialmente neste mundo, caberia aos discípulos – a nós – construir sua Igreja.

Pedro, o 1º. discípulo e 1º. papa, é a rocha humana que Cristo escolheu para conduzir sua Igreja

Simão Pedro, o primeiro e líder dos discípulos, o pescador simples, rude e analfabeto, tornou-se nosso primeiro papa. Pedro, em si, é a síntese do povo católico, em tudo que representa de santo e pecador.

Pedro, esse líder, foi quem negou Jesus 3 vezes, quem dormiu no Jardim das Oliveiras enquanto o Senhor sofria agudamente antes de sua captura pelos soldados romanos, aquele que foi chamado de Satanás pelo próprio Jesus (Mt 16, 21-27).

Mesmo com essas atitudes, Jesus “rebatizou” Simão de Pedro (Kepha ou Cefas = rochedo em grego) e o transformou na rocha humana, falha e pecadora, escolhida pelo Salvador desde o início para conduzir sua Igreja (“Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei minha Igreja” – Mt 16,18).

Pedro e essa “estranha” decisão de Jesus

Mas porque Jesus teria outorgado sua Igreja e as chaves da religação com os céus a Pedro, se Ele já sabia detalhadamente de todos seus pecados e falhas? Por que não João, o discípulo amado, aparentemente “melhor”, Thiago Maior ou Filipe (ambos supostamente líderes mais fortes), ou qualquer outro discípulo?

Parece não fazer sentido… mas faz enorme sentido e isso é a mais singela VERDADE sobre a legitimidade de nossa Igreja: Deus-Pai nos amou mais que tudo, antes mesmo de termos a chance de perceber, compreender e retribuir a parte humanamente possível desse amor infinito, mesmo com todas as nossas falhas e natureza pecadora.

Jesus não poderia esperar que seres imperfeitos pudessem aceitar o fardo impossível de edificar a perfeição na Igreja, representada por Ele. Jesus quis (de fato foi sua ESCOLHA) que a imperfeição humana conduzisse sua Igreja (no âmbito humano), porque somente assim a Igreja seria humilde, pequenina e verdadeira o suficiente para ser reflexo da Humanidade falha e, portanto, capaz de espelhar, acolher, perdoar e converter para Sua Mensagem e para o Reino do Pai. Só assim seria possível esperar que houvesse conversão real de cada um de nós, adesão verdadeira ao Seu Projeto e, portanto, o discipulado a partir das vocações individuais.

Por isso Jesus escolheu Pedro: porque Pedro representa em essência toda natureza humana. O mesmo Pedro que deu seu sim “sem pensar” ao chamado do “desconhecido” Jesus na praia enquanto pescava com seu irmão André; aquele que defendeu Cristo cortando a orelha de Malco; que teve a graça de confessar, antes de todos, que Jesus era o verdadeiro Messias, o Filho de Deus (a “revelação fundamental de Pedro”), é o Pedro que também foi capaz de fugir, negar e tentar conter o projeto salvífico do Senhor.

Pedro é claramente, em maior ou menor dimensão, exatamente o que somos como imitadores de Cristo: seres dicotômicos na fé, claudicantes na certeza, santos (porque santificados por Cristo) e pecadores por natureza.

A Igreja só é perfeita porque é santificada por Jesus

Eis aí a perfeição completa da Igreja. Perfeita, porque inspirada, criada e alimentada por Cristo, sua cabeça, é espiritualmente Santa, definitivamente Santa. Perfeita também porque incorporando a imperfeição de todos nós pecadores – justamente aos que Cristo veio salvar e reconciliar com o Pai, na cruz – é pecadora pelos pecados de seus membros, desde Pedro, mas humanamente Santa, pela santificação dos Homens que por ela vivem… todos nós santificados pelo sangue e graça de Cristo.

Nossas vocações materializadas em amor supremo a Deus e serviço ao próximo são o fermento da Igreja de Cristo

Pelo que está acima, temos, como Pedro, a obrigação de ser e agir como Igreja VERDADEIRA de Cristo – e não como Igreja que “também” tem ou traz Cristo em sua doutrina. Aqui não há e não pode haver relativizações do papel e da primazia de Jesus, porque não há doutrina de Cristo no Catolicismo, mas Cristo e seu Evangelho como única doutrina do Catolicismo.

Por isso, se não materializarmos nossas vocações em serviço ao próximo, estaremos negando o Evangelho de Cristo, ao manter improdutivos os talentos que nos foram dados por Deus (conforme a Parábola dos Talentos contada por Jesus em Mateus 25, 14-30).

Em suma, as vocações são dons que devem ser transformados em FRUTOS concretos do Espírito e é somente atendendo a esse chamado de Deus que conseguimos, como espécie, realizar plenamente nossa vida nesse mundo (sentido existencial).

Sobre o autor

Número de entradas : 32

© 2013 Blog Kênosis

Voltar para o topo